Cecília, o canto da esperança
junho 4, 2017
Como fazer seu filho se apaixonar pelos livros desde bebê
julho 16, 2017

Como lidar com a culpa da maternidade

Mãe culpada

Evite comparações e saiba pedir ajuda, quando for preciso

Como lidar com a culpa da maternidade
5 (100%) 1 vote

O sentimento de culpa muitas vezes está presente nas relações entre mães e filhos. Acreditar que é preciso todo o sacrifício proveniente da maternidade é nobre e necessário pode ser perigoso e levar até mesmo a quadros de esgotamento. A psicóloga e coach da YouUp, Elzí Campos, dá dicas de como dosar a responsabilidade de ser mãe com o autocuidado, deixando a vida mais leve e divertida ao lado do seu filho.

 

 

– A culpa é um sentimento comum na maternidade? Como ela surge?

 

Sim, muito comum. As mulheres cresceram ouvindo que se tornar mãe é a coisa mais importante da vida e são incentivadas a acreditar que todos os sacrifícios advindos da maternidade são nobres e necessários. Assim, todas as vezes que usa o seu tempo com qualquer outra atividade que não seja o cuidado com o filho, o sentimento de culpa aparece. É um sentimento que reflete uma constante dúvida se de fato está cumprindo bem o seu ‘papel’.

 

– Como as mães podem lidar com a culpa gerada pela maternidade?

 

Apesar de mães parecerem muito com super-heroínas, elas não precisam de fato quererem ser uma. Essa busca pela perfeição só gera angústia e frustração, sentimentos que não são nada construtivos e que podem ser sentidos também pelo bebê. Ser honesta consigo mesma sobre seus limites físicos e psicológicos, pedir ajuda e dividir o cuidado da criança, pode ser essencial para viver essa fase tão linda da vida com saúde e alegria!

 

– Como encontrar o equilíbrio entre a maternidade e um tempo para cuidar de si mesmo?

 

Aqui vale a lógica das ‘máscaras de oxigênio’: quando estamos em um vôo e por qualquer eventualidade as máscaras de oxigênio caem a nossa frente, precisamos primeiro colocá-las em nós mesmos para depois prestar assistência aos demais. Na maternidade, a mesma lógica é válida. Se você não tiver um tempo mínimo de autocuidado, você pode estar colocando em risco sua própria saúde e bem-estar o que, num futuro próximo, pode custar a capacidade real de cuidar do bebê por alguma doença, fadiga extrema e até esgotamento mental. Defina momentos específicos no dia para cuidar de você (fazer uma refeição com calma, tomar um banho mais longo, fazer alguma atividade física, etc.) e negocie com alguém os cuidados da criança nesses momentos.

 

– O fim da licença maternidade gera grande confusão de sentimentos nas mães. Como encarar essa transição de uma forma mais saudável?

 

O retorno ao trabalho é um momento delicado. Desde o nascimento as mães ficam o tempo todo com a criança e conhecem cada suspiro do seu bebê. O retorno envolve o receio de que outra pessoa pode não saber cuidar da criança da mesma maneira. Além disso, o sentido que o trabalho tinha para a maioria das mulheres é resignificado e pode não soar mais tão importante quanto antes. Esses dois motivos juntos fazem com que muitas mães deixem de trabalhar e essa é uma escolha muito pessoal. Em longo prazo, os estímulos do trabalho e as conquistas da carreira podem pesar e cabe a cada mulher avaliar da maneira mais consciente possível os custos e benefícios dessa decisão. Um retorno gradual ao trabalho e o suporte de um cuidador de confiança da mãe que fique responsável pelo cuidado da criança na sua ausência pode fazer toda a diferença nesse momento!

 

– O sentimento de culpa que a mãe sente depois do primeiro filho é diferente?

 

Com a chegada de outro bebê, geralmente, as mães voltam a sentir culpa e de maneira ainda mais intensa até pelo aumento de volume de cuidados que duas crianças juntas exigem. Esse é um momento crítico para muitas mulheres que podem sentir que estão ‘abandonando’ seus filhos, ou priorizando coisas menos importantes como o trabalho. Novamente é necessário usar uma boa dose de lógica para entender o quanto de tempo real terão condições de assegurar a seus filhos e quais são os arranjos possíveis para garantir seus cuidados. Muitas mulheres mesmo trabalhando 8 horas por dia conseguem dedicar tempo de qualidade para suas crianças se contarem com uma divisão de responsabilidades domésticas com seu par e se contar com o apoio de um cuidador de sua confiança nos períodos em que estiver fora de casa.

 

Pinguinzinho
Pinguinzinho
Editora de livros infantis personalizados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *